Foto: Agência Brasil

Escolas são ocupadas por alunos em reação a MP da Educação

O movimento avalia a possibilidade de desocupar a escola durante os dias de aplicação da prova do Enem

Estudantes realizam ocupações em escolas pelo país, em reação à medida provisória (MP) que reforma o ensino médio e a Proposta de Emenda à Constituição 241, que impõe um limite aos gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Em Brasília, pelo menos duas escolas e cinco institutos federais estão nessa situação. Os estudantes alegam que é precisar melhorar o ensino médio, mas dizem que alunos, professores e funcionários de escolas e institutos federais precisam ser ouvidos antes. Quanto à PEC 241, dizem que vai reduzir os investimentos na educação.

O Centro de Ensino Médio 304 de Samambaia (CEM 304), está ocupado pelos estudantes desde a quarta-feira (19). Cerca de 130 pessoas participam diariamente das atividades de mobilização no centro de ensino, de acordo com a organização do movimento.

Em declaração recente, o ministro da Educação, Mendonça Filho, rebateu críticas de falta de diálogo na reforma no ensino médio. Segundo ele, a discussão em torno do tema é feita desde 1998 e foi abordada diversas vezes pelo Ministério da Educação.

Enem

No último dia 19, o ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deve ser cancelada nas escolas ocupadas, caso elas não estejam liberadas até o dia 31 de outubro. É o caso do CEM 304 de Samambaia. O movimento avalia a possibilidade de desocupar a escola durante os dias de aplicação da prova do Enem.

Mudanças

A intenção é que o ensino médio tenha, ao longo de três anos, metade da carga horária de conteúdo obrigatório, definido pela Base Nacional Comum Curricular, ainda em discussão. O restante do tempo deve ser flexibilizado a partir dos interesses do próprio aluno e das especificidades de cada rede de ensino no Brasil. Os alunos poderão escolher seguir algumas das seguintes trajetórias: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas.